“apenas 25% na categoria mais alta do CNPq são mulheres”

Por Alessandra Monnerat*

Era 1997 e a astrofísica Thaisa Storchi Bergmann tinha sido chamada para uma missão de três meses no Observatório Interamericano de Cerro Tololo, no Chile. Mas a gaúcha tinha que trazer consigo um convidado indesejado para os colegas cientistas, que observavam o céu à noite e dormiam de dia. Era seu terceiro filho, recém-nascido, que ela ainda estava amamentando. Apesar da resistência, a pesquisadora conseguiu acomodar o bebê e uma babá em uma casa perto do observatório.

Continuar lendo

Anúncios

Nota de apoio ao Centro de Convivência de Mulheres da UnB

Cientes de que um grupo de mulheres que integra a comunidade universitária tem se reunido em assembleias semanais desde março de 2017, decorrendo na criação do Coletivo de Mulheres da UnB, vimos a público manifestar nosso apoio às reivindicações em curso por um Centro de Convivência de Mulheres na Universidade de Brasília. O Coletivo de Mulheres da UnB ocupou, segundo deliberação em assembleia, a sala BT 168 do ICC Sul desde o dia 02 de maio, passando a reivindicar apoio institucional para a garantia de um espaço físico que permita a reunião sistemática e a construção de um espaço coletivo que possa vir a servir como referência a todas as mulheres da universidade para a proposição e adoção de medidas de proteção e reparação a abusos e violências recorrentes no cotidiano institucional.

Continuar lendo

8M: las mujeres celebramos y resistimos

Declaración de intelectuales latinoamericanas sobre la huelga mundial de mujeres.

Este año conmemoramos el Día Internacional de las Mujeres bajo nuevas amenazas para la paz y la vida en el mundo.

Desde nuestro quehacer como académicas e investigadoras y como parte de la comunidad del Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, CLACSO, estamos presentes en esta jornada mundial. Acompañamos las movilizaciones y acciones globales, las iniciativas de reflexión y análisis que se despliegan a lo largo y ancho de América Latina y el Caribe, con el común objetivo de la defensa de derechos y el reclamo de justicia para las mujeres.

Continuar lendo

8M

Mujeres de más de 50 países convocaron a una huelga internacional para protestar contra los feminicidios; la explotación laboral y económica que apunta el orden capitalista neoliberal global; el corporativismo feminista de las CEO; las desigualdades de género en todos los ámbitos y la deshumanización de las mujeres.

“Cada día mueren en promedio al menos 12 latinoamericanas y caribeñas
por el solo hecho de ser mujer”. Esa estadística la difundió, en octubre de 2016,
la “Comisión Económica para América Latina y el Caribe” (CEPAL).
Honduras es el país de la región con el mayor número total de femicidios (531 en 2014),
lo cual representa 13,3 femicidios por cada 100.000 mujeres.
“Las tasas más altas a nivel regional corresponden a El Salvador y República Dominicana. En términos de números absolutos, Argentina y Guatemala se ubican en segundo y tercer
lugar, con más de 200 femicidios cada uno en 2014”.

Fuente: Megafón nº13/1, Marzo de 2017

 

Mensagem da Reitora da UnB

Queridos colegas professores, pesquisadores, servidores e estudantes,
Esta quarta-feira, 8 de março, é dia de celebrar o legado das muitas mulheres que lutaram pela conquista da emancipação feminina, que romperam barreiras na ciência, na política e no mercado de trabalho. É também ocasião para celebrar a nós, mulheres comuns, que trabalhamos diariamente pelo bem-estar de nossas famílias, da sociedade e do país.
Se, por um lado, me sinto orgulhosa do nosso protagonismo em todas as esferas da vida social, por outro, sei o quanto ainda precisamos avançar em termos de igualdade e reconhecimento. É por isso que, como a primeira reitora da Universidade de Brasília, assumo um compromisso ainda maior. Desejo e trabalho para que a universidade possa contribuir, efetivamente, para a formação de bons profissionais e bons cidadãos, que tenham empatia e saibam respeitar a todos.
Nesta oportunidade, gostaria de agradecer, em especial, a todas as mulheres que participam do cotidiano da nossa instituição. Somos parte fundamental desta universidade e de suas conquistas e temos grande responsabilidade com o futuro.
Em um singelo ato, o Gabinete vai parar por uma hora na manhã desta quarta-feira, para um café da manhã.
Um forte abraço!
Márcia Abrahão Moura

Fonte: e-mail pessoal, os destaques no texto são meus