Nota de apoio ao Centro de Convivência de Mulheres da UnB

Cientes de que um grupo de mulheres que integra a comunidade universitária tem se reunido em assembleias semanais desde março de 2017, decorrendo na criação do Coletivo de Mulheres da UnB, vimos a público manifestar nosso apoio às reivindicações em curso por um Centro de Convivência de Mulheres na Universidade de Brasília. O Coletivo de Mulheres da UnB ocupou, segundo deliberação em assembleia, a sala BT 168 do ICC Sul desde o dia 02 de maio, passando a reivindicar apoio institucional para a garantia de um espaço físico que permita a reunião sistemática e a construção de um espaço coletivo que possa vir a servir como referência a todas as mulheres da universidade para a proposição e adoção de medidas de proteção e reparação a abusos e violências recorrentes no cotidiano institucional.

Continuar lendo

Anúncios

8M: las mujeres celebramos y resistimos

Declaración de intelectuales latinoamericanas sobre la huelga mundial de mujeres.

Este año conmemoramos el Día Internacional de las Mujeres bajo nuevas amenazas para la paz y la vida en el mundo.

Desde nuestro quehacer como académicas e investigadoras y como parte de la comunidad del Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, CLACSO, estamos presentes en esta jornada mundial. Acompañamos las movilizaciones y acciones globales, las iniciativas de reflexión y análisis que se despliegan a lo largo y ancho de América Latina y el Caribe, con el común objetivo de la defensa de derechos y el reclamo de justicia para las mujeres.

Continuar lendo

8M

Mujeres de más de 50 países convocaron a una huelga internacional para protestar contra los feminicidios; la explotación laboral y económica que apunta el orden capitalista neoliberal global; el corporativismo feminista de las CEO; las desigualdades de género en todos los ámbitos y la deshumanización de las mujeres.

“Cada día mueren en promedio al menos 12 latinoamericanas y caribeñas
por el solo hecho de ser mujer”. Esa estadística la difundió, en octubre de 2016,
la “Comisión Económica para América Latina y el Caribe” (CEPAL).
Honduras es el país de la región con el mayor número total de femicidios (531 en 2014),
lo cual representa 13,3 femicidios por cada 100.000 mujeres.
“Las tasas más altas a nivel regional corresponden a El Salvador y República Dominicana. En términos de números absolutos, Argentina y Guatemala se ubican en segundo y tercer
lugar, con más de 200 femicidios cada uno en 2014”.

Fuente: Megafón nº13/1, Marzo de 2017

 

Mensagem da Reitora da UnB

Queridos colegas professores, pesquisadores, servidores e estudantes,
Esta quarta-feira, 8 de março, é dia de celebrar o legado das muitas mulheres que lutaram pela conquista da emancipação feminina, que romperam barreiras na ciência, na política e no mercado de trabalho. É também ocasião para celebrar a nós, mulheres comuns, que trabalhamos diariamente pelo bem-estar de nossas famílias, da sociedade e do país.
Se, por um lado, me sinto orgulhosa do nosso protagonismo em todas as esferas da vida social, por outro, sei o quanto ainda precisamos avançar em termos de igualdade e reconhecimento. É por isso que, como a primeira reitora da Universidade de Brasília, assumo um compromisso ainda maior. Desejo e trabalho para que a universidade possa contribuir, efetivamente, para a formação de bons profissionais e bons cidadãos, que tenham empatia e saibam respeitar a todos.
Nesta oportunidade, gostaria de agradecer, em especial, a todas as mulheres que participam do cotidiano da nossa instituição. Somos parte fundamental desta universidade e de suas conquistas e temos grande responsabilidade com o futuro.
Em um singelo ato, o Gabinete vai parar por uma hora na manhã desta quarta-feira, para um café da manhã.
Um forte abraço!
Márcia Abrahão Moura

Fonte: e-mail pessoal, os destaques no texto são meus

Você é homem e quer se juntar à greve das MULHERES #8M?

Você é homem e quer se juntar a greve das MULHERES #8M?
Aqui está uma lista de coisas que você pode fazer:
1. Se você é um pai fique cuidando de seus filhxs
2. Se você é um amigo se ofereça como babá.
3. Se você é um colega de trabalho se ofereça para cobrir sua colega.
4. Se você é chefe abone o dia as mulheres que trabalham com você, sem problemas ou represálias.
5. Se você é um colega de escola, vai apoiar suas colegas que irão faltar à escola.
6. Se você é um professor, não vai fazer chamada amanhã. Lembre-se: É uma ausência justificada e urgentemente necessária, as alunas que não estão em sua sala estão na rua dizendo #VivasNosQueremos, porque estão nos matando.
7. Se você é diretor de teatro, pode cancelar os ensaios e apresentações, lembre-se que o show que deve continuar se chama “vida” (Isto aplica-se para todas as profissões).
8. Se na sua família há alguém que precisa de cuidados e é uma mulher que fornece, amanhã é um bom dia para você ajudar (e não apenas amanhã, porque amanhã começa a partir de então, isso se aplica também para: cuidados com idosos e crianças, tarefas domésticas, etc.).
9. Se você tem um relacionamento afetivo-sexual com uma mulher, ofereça qualquer ajuda e suporte necessário para que ela possa participar.
10. Se você trabalha em qualquer meio de comunicação, permita que sejam suas companheiras quem cubram a greve e as manifestações.
11. Se você é um companheiro militante vai espalhar o evento, encorajar mais mulheres a entrar e divulgar essa lista para os homens do seu convívio.
12. Se você vai para a concentração (isto significa que não há necessidade de você em qualquer um dos itens acima). Ouça, não se coloque à frente, não dê ordens ou coordene atividades, simplesmente vai com elas, escuta elas, respeita elas.

Fonte: desconhecida