Lista
Cientes de que um grupo de mulheres que integra a comunidade universitária tem se reunido em assembleias semanais desde março de 2017, decorrendo na criação do Coletivo de Mulheres da UnB, vimos a público manifestar nosso apoio às reivindicações em curso por um Centro de Convivência de Mulheres na Universidade de Brasília. O Coletivo de Mulheres da UnB ocupou, segundo deliberação em assembleia, a sala BT 168 do ICC Sul desde o dia 02 de maio, passando a reivindicar apoio institucional para a garantia de um espaço físico que permita a reunião sistemática e a construção de um espaço coletivo que possa vir a servir como referência a todas as mulheres da universidade para a proposição e adoção de medidas de proteção e reparação a abusos e violências recorrentes no cotidiano institucional.

Tais esforços denotam a urgência na construção democrática e participativa de estratégias de coibição, prevenção e reparação de casos de assédio moral e sexual, violência sexual e agressões físicas, tendo a UnB acumulado inclusive episódio de feminicídio no interior da própria estrutura da universidade, situação extrema da violência letal contra a mulher. Os recorrentes casos de estupros, a violência moral, a evasão escolar de mulheres vitimadas por agressões e a deterioração da saúde mental de mulheres dos segmentos de estudantes, servidoras técnicas e docentes, bem como das trabalhadoras terceirizadas justifica a imediata adoção de estratégias de segurança, fluxo de encaminhamentos para setores internos e externos à UnB na perspectiva de uma política que garanta rede de proteção e afirmação de direitos, convivência democrática e coibição de toda forma de discriminação e violência.
Respeitando a autonomia do Coletivo de Mulheres da UnB em sua decisão pela auto-gestão, solicitamos que a UnB tome as medidas necessárias para apoiar incondicionalmente este processo de organização política de mulheres na defesa de seus direitos e criação de estratégias de convivência e mobilização que rompam com a inércia institucional diante de casos recorrentes e invisibilizados de violência contra as mulheres na universidade. É necessário lembrar que a violência contra as mulheres atinge a todas, sendo elas de quaisquer faixas etárias, de quaisquer segmentos da comunidade universitária, embora vulnerabilizando especialmente jovens estudantes, mulheres em situação de vulnerabilidade econômica, mulheres negras e indígenas, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais, evidentemente sem desconsiderar a gravidade da violência de gênero que recai também sobre todas as demais que não integram segmentos mais vulneráveis à violação de direitos sociais, econômicos e políticos. A falta de apoio a mulheres que cuidam de bebês e filhos pequenos, na ausência de creches e apoio institucional, é também um dos problemas persistentes que vulnerabiliza estudantes à evasão e servidoras e trabalhadoras terceirizadas à precarização das condições de vida, saúde, trabalho e convivência familiar.
Desta forma, vimos relembrar que a UnB já assumiu institucionalmente o compromisso retórico da necessária proteção às mulheres por meio da criação da Diretoria da Diversidade em 2013 e da publicação do Plano de Respeito à Diversidade em 2016, embora seja notório que tais medidas institucionais apenas reiteram a necessária e urgente construção coletiva de políticas institucionais afirmativas que estabeleçam formalmente estratégias de reparação e prevenção da violência contra as mulheres, bem como a promoção de práticas e medidas para a boa convivência de todas as pessoas no contexto universitário.
Assinam conjuntamente em 11 de maio de 2017, o Núcleo de Estudos da Diversidade Sexual e de Gênero – NEDIG/CEAM/UnB e o Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre a Mulher – NEPEM/CEAM/UnB.
CCM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze + dez =

  Postagens

1 2 3 7
janeiro 14th, 2019

Machismo cotidiano

“No hay una poción mágica para dejar de ser machista, sino que es un trabajo diario […] Hay que confrontarlo […]

outubro 30th, 2018

UnB – Nota à comunidade pela tolerância e a autonomia universitária

À comunidade universitária, Nos últimos meses, a Universidade de Brasília vem sendo alvo de uma série de atos de vandalismo […]

outubro 15th, 2018

Dia da professora!

“Não posso ser professor se não percebo cada vez melhor que, por não poder ser neutra, minha prática exige de […]

outubro 1st, 2018

Suicidio e universidade

Segue materia publicada em 14/09/2016, no UnB noticias, sob o título de Abraçaço promove na UnB semana de prevenção ao suicídio […]

setembro 13th, 2018

Semana universitária 2018. Programação do Departamento de estudos Latino-americanos (ELA)

Sintam-se tod@s convidad@s. 26 de setembro de 2019, 14h 28 de setembro de 2019, 14h Relacionado

setembro 4th, 2018

Luto e LUTA pelo incêndio no Museu Nacional

“A Associação Nacional de Pós-graduandos vem a público manifestar seu profundo pesar pelo incêndio criminoso ocorrido neste dia 2 de […]

agosto 9th, 2018

9/8 Dia internacional dos povos indígenas

Diferente da comemoração do dia 19 de abril, o Dia Internacional dos Povos Indígenas é uma conquista para as nações […]

abril 9th, 2018

Acampamento Terra Livre (ATL) 2018 – Brasília

O ATL prevê discutir e definir posicionamentos sobre a situação dos direitos fundamentais dos nossos povos no âmbito dos distintos […]

abril 8th, 2018

Semana Indígena na UnB – 2018

Relacionado

março 23rd, 2018

Carta-Denúncia dos Povos – FAMA 2018, Brasília

Nós, os Povos Originários e Comunidades Tradicionais do Brasil, os guardiões das águas e da natureza, reunidos no Fórum Alternativo […]