Lista

As e os docentes do Departamento de Serviço Social manifestam seu pesar com o brutal assassinato da Louise Maria da Silva Ribeiro, aluna desta Universidade e se solidarizam com familiares, amigas e amigos.

Louise morreu por ser mulher. Mais uma vítima de femicídio no Brasil. Louise morreu por dizer não. Louise morreu por não ter o direito de dizer não, segundo o seu algoz – um ex-namorado. Seu algoz não era um estranho, um assaltante, sequestrador, assassino escondido nas áreas ainda não iluminadas e ermas dessa Universidade – estes que desde pequenas somos ensinadas a temer.

Era alguém da sua rede afetiva. Louise foi ao encontro de seu algoz, pois este não era um estranho, alguém a se temer. Por esse motivo, não seriam seguranças ou policiais que impediriam que esse ato bárbaro acontecesse. Não seria mais iluminação ou câmeras de segurança, apesar de considerarmos tais medidas também imprescindíveis. A violência que acometeu Louise não pode ser prevenida com medidas dessa natureza – é uma violência cujas raízes são mais complexas – ela revela o quanto o sistema patriarcal e sua expressão maior, o machismo, ainda estão presentes em nossa sociedade – e na Universidade de Brasília – conformando mentalidades e forjando ações que humilham, maltratam e matam mulheres há séculos. É conseÉ consequência, pois, não da falta de segurança ou de polícia no Campus, mas de uma cultura patriarcal e machista que desvaloriza o feminino em todos os âmbitos da vida social.

Episódios como este, infelizmente fazem parte de uma história de crescente discriminação e violência contra as mulheres na Universidade de Brasília, que quando não são minimizadas pelas instâncias decisórias da UnB, tem gerado ações pouco eficazes. Reconhecemos como importante ação a criação de uma Diretoria de Diversidade pela Administração Central, mas lamentamos a ausência de uma política sistemática de promoção de uma cultura não sexista e não violenta, para toda a Universidade.

Em tempos de recrudescimento do conservadorismo, no qual as manifestações pelo direito a igualdade são ridicularizadas; que o feminismo – movimento social responsável pelas conquistas de direitos às mulheres – é pejorativamente associado a um dos regimes mais violentos dos últimos séculos. Tempos em que o conceito de gênero é demonizado e impedido por nosso parlamento de integrar os currículos escolares…

Esse tempo marcado por retrocessos em meio a alguns avanços. A Lei Maria da Penha e a Lei do Feminicídio são conquistas fundamentais, na medida em que reconhecem os efeitos das relações desiguais entre homens e mulheres decorrentes do sistema patriarcal e a responsabilidade do Estado em seu enfrentamento. Todavia, não temos conseguido diminuir o número de mulheres espancadas, estupradas e mortas por serem mulheres.

É urgente que, além de modificarmos os mecanismos penais, sejam implementadas ações que incidam e transformem a cultura patriarcal e machista que sustentam as relações sociais estabelecidas: é imprescindível falar de gênero, de feminismo, das mortes causadas pelo machismo e é necessário fazer isso em todos os lugares, em especial, nos bancos das Universidades.

Como Universidade pública, laica e socialmente referenciada, cabe à UnB formar cidadãs e cidadãos comprometidos com a sociedade, com os direitos humanos e com a justiça social; não profissionais altamente especializados nos campos das ciências exatas, humanas ou da saúde, mas completamente alienados da dura realidade de desigualdade que atinge nós mulheres, mas também outros segmentos, discriminados por sua condição de classe, orientação sexual, raça/etnia, entre outras opressões.

Clamamos, assim, ações efetivas da direção desta Universidade de apoio à Diretoria da Diversidade, e dos Decanatos de Graduação, Extensão e Pós-Graduação, voltadas ao combate ao machismo e ao enfrentamento de todas as formas de violência contra as mulheres. Clamamos por ações que faça o ambiente universitário efetivamente livre das opressões de gênero, que em seu limiar, provocam mortes.

Não esperemos que mais mortes aconteçam para debater isso.

Fonte: ftp://ftp.unb.br/pub/download/Nota_Louise.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  Postagens

1 2 3 7
setembro 17th, 2020

Femifilme Cinema-debate sobre gênero e feminismo

agosto 6th, 2019

1ª Marcha das Mulheres Indígenas. “Território: nosso corpo, nosso espírito”

Entre os dias 09 e 13 de agosto, acontece a 1ª Marcha das Mulheres Indígenas, que reunirá 2 mil mulheres […]

março 31st, 2019

Teoria racista, sexista e antifeminista cresce na extrema-direita mundial

“Uma extensão da teoria colonialista, ela se baseia na ideia de que as mulheres brancas não estão gerando filhos suficientes […]

janeiro 14th, 2019

Machismo cotidiano

“No hay una poción mágica para dejar de ser machista, sino que es un trabajo diario […] Hay que confrontarlo […]

outubro 30th, 2018

UnB – Nota à comunidade pela tolerância e a autonomia universitária

À comunidade universitária, Nos últimos meses, a Universidade de Brasília vem sendo alvo de uma série de atos de vandalismo […]

outubro 15th, 2018

Dia da professora!

“Não posso ser professor se não percebo cada vez melhor que, por não poder ser neutra, minha prática exige de […]

outubro 1st, 2018

Suicidio e universidade

Segue materia publicada em 14/09/2016, no UnB noticias, sob o título de Abraçaço promove na UnB semana de prevenção ao suicídio […]

setembro 13th, 2018

Semana universitária 2018. Programação do Departamento de estudos Latino-americanos (ELA)

Sintam-se tod@s convidad@s. 26 de setembro de 2019, 14h 28 de setembro de 2019, 14h

setembro 4th, 2018

Luto e LUTA pelo incêndio no Museu Nacional

“A Associação Nacional de Pós-graduandos vem a público manifestar seu profundo pesar pelo incêndio criminoso ocorrido neste dia 2 de […]

agosto 9th, 2018

9/8 Dia internacional dos povos indígenas

Diferente da comemoração do dia 19 de abril, o Dia Internacional dos Povos Indígenas é uma conquista para as nações […]


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0